PESQUISA APONTA NOVO RUMO PARA CRIAÇÃO DE VACINA CONTRA A AIDS

Equipe da Fiocruz envolvida na pesquisa

Testes realizados em cobaias mostraram ser possível bloquear o vírus HIV dentro do próprio organismo, evitando que a pessoa infectada adoeça. O estudo, publicado no site da conceituada revista Nature, é liderado pelo pesquisador David Watkins, da Universidade de Miami (EUA), e conta com a participação de cientistas brasileiros da Fiocruz, do Instituto Oswaldo Cruz (IOC). A pesquisa inova ao apontar um novo rumo no combate a aids. Até então, a maior parte dos estudos centrava esforços em produzir vacinas com a utilização de anticorpos.

O impulso para a pesquisa de Watkins partiu dos casos de pessoas que têm aids, mas não desenvolveram a doença, o que acontece com uma em cada 300 pessoas infectadas. Os pesquisadores acreditam que a resposta para essa “imunidade” está nas células T CD8, também conhecidas como células “matadoras”. São elas as encarregadas de eliminar do corpo vírus e outros invasores.

“São células com capacidade citotóxica, isto é, células que podem reconhecer células com alterações, como as células cancerosas ou infectadas com um vírus, por exemplo, e eliminá-las do organismo, matando-as”, explica Myrna Bonaldo, chefe do Laboratório de Biologia Molecular de Flavivírus do IOC e uma das integrantes do grupo de Watkins.

A pesquisa utilizou compostos indutores de produção de células T CD8, a partir da vacina contra a febre amarela desenvolvida pelo IOC, que atua como uma plataforma na qual se introduz modificações genéticas que poderão imunizar contra outras doenças.

Os testes foram feitos em dois grupos de macacos Rhesus: um recebeu os compostos e outro não. Depois, todos foram inoculados com o vírus SIV, semelhante ao HIV, que causa aids em macacos, mas não no homem. Os que receberam os indutores de produção da T CD8 apresentaram importante redução na replicação do vírus.

“Nosso estudo aponta um novo caminho possível. É como se na rodovia do estudo de vacinas para a aids estivéssemos fixando uma placa nova”, explica Myrna.

Apesar das boas perspectivas, os pesquisadores evitam falar em uma vacina a curto prazo.

Fonte: Gazeta do Povo
Foto: Gutemberg Brito/IOC

Advertisements

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s