EM OITO ANOS, EÓLICA DEVE TER 12% DE PARTICIPAÇÃO

As regiões Nordeste e Sul concentram a maioria dos parques eólicos instalados no Brasil

Todos os ventos sopram a favor. Torres de até 120 metros de altura, que recebem as melhores correntes, muitos “parques” disponíveis e investimentos internos e externos estão transformando a energia eólica na fonte energética que mais cresce no país. Na matriz elétrica brasileira, a participação da energia gerada pelos ventos deve passar dos atuais 1,5% para 5,4% em 2016, chegando a 12% em 2020, com 20 Gigawatts (GW) instalados. Já são 104 parques em funcionamento, que passarão a 125 até o final de 2012, chegando a 250 em 2016, a maioria no Nordeste e no Sul.

“Até 2020 os investimentos somarão R$ 40 bilhões e os empregos no setor chegarão a 280 mil. Os desembolsos feitos pelo setor no período de 2004 a 2011 somaram R$ 25 bilhões. Hoje, o Brasil é o único país que investe em fonte eólica e recebe recursos de fora. A China e a Índia também investem, mas não recebem investimentos externos. O fato de o Brasil ser receptivo a investimentos do exterior traz uma competição muito grande entre os fornecedores e faz com que os preços se tornem mais baixos”, afirma Elbia Melo, presidente executiva da Associação Brasileira de Energia Eólica (Abeeólica).

“A crise na Europa paralisou os projetos naquele mercado”, acrescenta Mauricio Tolmasquim, presidente da Empresa de Pesquisa Energética (EPE). O executivo observa que “na China só entram empresas que produzem equipamentos na própria China. Por conta disso, as empresas estrangeiras focaram no Brasil”. Para se ter uma ideia da força do mercado brasileiro, em 2008 o país possuía um único fabricante de aerogeradores e hoje, segundo dados da Abeeólica, já são onze as empresas. De 2004, quando o Brasil iniciou o processo de investimentos na área de eólica, para cá, o setor teve um salto em termos de tecnologia que não deixa nada a dever à Europa e Estados Unidos.

“Naquela época foram contratadas da fonte eólica, por parte do governo, cerca de 1.400 MW a um preço elevado, da ordem de R$ 312,00 o MW hora, sendo que a hidrelétrica custava cerca de R$ 60,00. Pagamos cinco vezes o preço de mercado para a fonte mais competitivas, mas justamente com o objetivo de trazer conhecimento para que no futuro pudéssemos ter os benefício do investimento”, diz Elbia.

Já em 2011, com tecnologias comparáveis às melhores do mundo, a energia eólica chegou a ser contratada a R$ 100,00 o MW hora. “A energia eólica vive agora nova etapa de competitividade no país, com previsão de chegar em 2020 com investimentos da ordem de R$ 40 bilhões. Essa nova fase, iniciada em 2009, totaliza a contratação de 6,7 (GW) de potência, ao preço de R$ 100 por Megawatt (MW) hora”, afirma.

Ao contrário do passado, hoje o Brasil produz a fonte eólica mais competitiva do mundo. “O progresso tecnológico está ao alcance de todos. Tanto os Estados Unidos como a Europa têm acesso à mesma tecnologia que o Brasil, entretanto o Brasil produz a fonte eólica de forma mais competitiva pela qualidade de nossos ventos e pelo momento econômico que estamos vivendo”, diz Elbia. Pelos seus cálculos, atualmente, a tarifa de energia eólica lá fora, que é subsidiada, está entre R$ 250,00 e R$ 300,00 o MW/hora. “Quase três vezes maior que o praticado no Brasil”, diz.

Estudo feito pela EPE aponta que a geração de energia elétrica por usinas eólicas deve aumentar sete vezes no país até 2014, considerando os últimos cinco anos, passando para 7 GW. Para ilustrar a capacidade do Brasil na produção desse tipo de energia, o presidente da EPE lembra que além de limpa, a energia eólica é complementar à hídrica, pois os ventos aumentam nos meses em que chove menos, de maio a novembro. “A Dinamarca vende energia eólica para a Noruega à noite e compra dela energia hídrica de dia. E o Brasil produz as duas coisas”, afirma.

Há pouco mais de uma década, o potencial eólico brasileiro era de 143 GW, concentrados nas regiões Nordeste e Sul do Brasil. “A evolução tecnológica permitiu que as torres dos primeiros projetos, em 2001 e 2004, que tinham 50 metros de altura, atingissem hoje de 100 a 120 metros. Uma torre mais alta tem capacidade maior de captação do vento e torna a produção de uma massa muito maior”, explica Elbia. Por conta da evolução, o potencial brasileiro de geração de eólica passou de 143 GW para 300 GW. “A fonte eólica tem um futuro promissor no Brasil”.

Fonte: Jornal da Ciência.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s